Especialidades

Conheça abaixo cada uma das especialidades atendidas dentro do Projeto Olhar

A Catarata é uma doença que ataca o olho, causando a perda da transparência do cristalino – lente natural do olho responsável pela focalização da visão para perto e para longe, composta por células que ficam atrás da pupila. Em outras palavras, a falta de brilho do cristalino vai dificultando a chegada da luz à retina e a visão diminui. Essas alterações podem levar desde a pequenas distorções visuais até à cegueira.

Sintomas da Catarata

  • Diminuição de resolução e alcance da visão;
  • Maior sensibilidade à luz;
  • Diminuição da noção das cores;
  • Visão embaçada, foco prejudicado;
  • Visão “nublada ou com névoa”.
Tratamento

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, mais de 50% das pessoas acima dos 65 anos sofrem de Catarata. Para corrigir tal problema ocular, o recomendado é fazer a cirurgia para substituição do cristalino por uma lente que realiza as mesmas funções.

Hoje, as cirurgias de catarata são extremamente seguras, sendo realizadas, inclusive, com tecnologias a laser, proporcionando precisão ao especialista e benefícios ao paciente, como um pós-operatório mas rápido, recuperando a qualidade da visão em poucos dias.

Lentes Premium
Agregadas ao conceito de recuperar a percepção visual obstruída pela catarata, estas lentes permitem, ao mesmo tempo, corrigir possíveis graus de miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia. Assim, além da melhora da qualidade da visão, o paciente ainda obtém a independência parcial ou total dos óculos, dependendo do tipo de lente implantada e de cada caso.

Divididas em Lentes Premium Acomodativas, Multifocais e Tóricas, cada uma desempenha uma função específica e é indicada para casos diferentes.

>> As Lentes Acomodativas aproveitam o processo de acomodação natural do olho, aumentando o poder de refração e corrigindo a visão para perto e para longe simultaneamente.

>> Também as Lentes Multifocais permitem que o paciente, após a cirurgia, obtenha uma visão simultânea para longe e para perto. Porém, com a diferença de que a lente implantada não tem a mesma mobilidade que a Acomodativa, o que consequentemente resulta em uma visão de grande qualidade, mas não com a mesma perfeição.

>> Enquanto as Lentes Tóricas corrigem apenas o astigmatismo, obrigando o paciente a usar óculos para perto ou para longe após a cirurgia de acordo com os graus residuais, as Lentes Multifocais Tóricas são indicadas para pessoas que possuem graus de astigmatismo, miopia e hipermetropia.

A córnea é um tecido transparente que fica na parte da frente do olho, funcionando como uma lente que converge os raios de luz para a retina. Quando se opacifica por causa de enfermidades oculares, torna a visão embaçada, podendo levar até à cegueira.

 

Ceratocone >> Doença que afeta uma em cada duas mil pessoas no Brasil, o ceratocone pode ser definido, de forma geral, como uma deformação da córnea, provocando a percepção de imagens distorcidas, bem parecida com os sintomas de astigmatismo. É uma condição na qual o estroma corneano apresenta baixa rigidez, tornando-se mais elástico e fino, permitindo a formação de uma área abaulada mais protusa, com consequente irregularidade da curvatura corneana, ou seja, a córnea se afina e muda de forma, assumindo o aspecto de um cone. Se não tratada, pode levar à cegueira. Pode aparecer na infância ou se desenvolver a partir de outras doenças, como uma alergia ou infecção ocular.

Transplante de Córnea
Indicação
Traumatismos Oculares: causados principalmente por acidentes de trabalho.
Ceratocone: pode progredir por alguns anos e parar ou avançar e deformar a córnea. Nem sempre é possível corrigir o problema através de óculos e lentes, sendo necessário o transplante.
Complicações em cirurgias oculares: como desdobramento de outro tipo de cirurgia, pode ocorrer a perda da transparência da córnea; é mais comum de acontecer em idosos.
Outras causas: doenças metabólicas ou degenerações e distrofias também podem lesionar a córnea.
O método tradicional utilizado pela maioria dos oftalmologistas é o transplante penetrante, que consiste na substituição de toda a espessura da córnea doente por uma córnea saudável, oriunda de doadores de órgãos. Esta nova córnea é então fixada ao olho com um fio especial através de vários pontos.
Contudo, com a evolução da Medicina e a busca por novos tratamentos que aliem segurança e resultados positivos, já está sendo utilizada uma nova técnica para estes casos. Trata-se do transplante endotelial. Neste procedimento, apenas é substituída a camada mais interna da córnea que está doente (endotélio), sendo aderida naturalmente às demais camadas, ou seja, não há necessidade de pontos para segurar o transplante.
Como resultado, o paciente dispõe de um pós-operatório mais rápido, com a recuperação da visão em semanas, ao contrário do procedimento tradicional em que a recuperação pode levar meses. Além disso, é uma técnica que oferece melhor desempenho ao paciente, apresentando uma alta taxa de sucesso.
 

Anel Intraestromal (Anel de Ferrara)
Com o objetivo de estabilizar e reduzir a protuberância corneana, o procedimento consiste no implante de um disco entre as camadas da córnea, trazendo-a a sua forma natural. O procedimento aumenta a estabilidade do olho, proporcionando como resultando a melhora da visão com auxílio de óculos e/ou lentes de contato. Em alguns casos, a implantação do anel também pode ser útil para retardar o progresso da doença.
 

Cross-linking
O cross-linking não representa a cura definitiva do ceratocone, mas tem o objetivo de deter a progressão do mesmo e, com isto, conter a deterioração da visão e evitar a necessidade de um transplante. Ele refaz as ligações de colágeno da córnea, proporcionando um enrijecimento do tecido corneano e, consequentemente, a estabilização da doença, pois reduz significativamente a elasticidade e aumenta a resistência biomecânica do tecido. Com isso, a dificuldade na percepção das imagens passa a ser melhor.
O cross-linking Iroc de 10 minutos é um dos procedimentos mais recentes no mercado e tem revolucionado o tratamento de ceratocone e ectasia de córnea. O procedimento é rápido e indolor, com utilização de anestesia utópica. Como resultados, a recuperação mais rápida do epitélio e melhora da acuidade visual. Porém é importante salientar que este tratamento é indicado para quem tem boa qualidade refrativa, quando a doença ainda não avançou para quadros mais graves; nos demais casos, o transplante de córnea ou implantação de anel intraestromal são mais indicados.
O glaucoma é uma doença ocular que afeta de 2% a 4% da população com mais de 50 anos no país e é a principal causa de cegueira não reversível, principalmente pelo fato de ser uma doença silenciosa, que compromete a visão sem que a pessoa perceba. É causado, principalmente, pelo aumento da pressão intraocular, ocasionada pela obstrução do sistema de drenagem que o olho possui. Dessa forma, os nervos ópticos que levam a mensagem visual até o cérebro podem ser comprometidos, resultando em uma cegueira parcial ou até total.
Sintomas
O Glaucoma é uma doença silenciosa, ou seja, sem sintomas perceptíveis. Por isso os exames de rotina são fundamentais. Sinais como muita dor de cabeça, tontura, pressão alta podem indicar a existência da doença. Nesses casos, é importante procurar um oftalmologista.
Tratamento
O SLT – Trabeculoplastia Seletiva a Laser – é indicado para pacientes com glaucoma de ângulo aberto (o tipo menos grave), porém responsável por 80% a 90% dos casos. As aplicações de laser atingem apenas as células afetadas do olho, estimulando o próprio corpo a buscar mecanismos naturais para reduzir a pressão intraocular, de forma a aumentar a drenagem para facilitar o escoamento do humor aquoso e controlar a pressão. O procedimento é simples, indolor e realizado no próprio consultório, não levando mais do que cinco minutos. Sua eficácia é comprovada, minimizando os efeitos causados pelo glaucoma. Como resultado, o paciente pode conviver melhor com a doença e alcançar uma qualidade de vida melhor.
A trabeculoplastia seletiva a laser (SLT) pode ser é um grande avanço no controle do glaucoma, pois permite, por exemplo, que o paciente suspenda o uso de medicamentos e substitui, também, as alternativas para os casos mais críticos, como a cirurgia e a trabeculoplastia laser de argônio (ALT), trazendo resultados mais rápidos, além de o procedimento poder ser repetido em um mesmo paciente outras vezes, aumentando a eficácia do tratamento.

A cirurgia refrativa a laser permite uma evolução no tratamento de doenças como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.

O laser aumenta a precisão da incisão na córnea e o fato de não haver corte também traz maior conforto para o paciente, porque torna mais rápida a cirurgia e a recuperação pós-operatória.

Com baixa energia e pulsos ultrarrápidos, um alto nível de segurança e qualidade ao procedimento é garantido. Isso significa precisão no corte, evita perda de tecidos, oferece cicatrização rápida e um menor tempo de cirurgia.

A retina é a parte do olho responsável pela formação de imagens, ou seja, pelo sentido da visão. O nervo óptico se estende desde o cérebro até aproximadamente o centro da retina e depois se divide. A área central da retina, chamada mácula, possui a maior quantidade de nervos sensíveis à luz e, por isso tem a função de comandar a qualidade da nossa visão.


As principais doenças relacionadas à retina são:

Retinopatia Diabética

As altas taxas de diabetes, quando não tratadas, podem acarretar doenças em outros campos do organismo, como os olhos. Uma das principais patologias causada pela diabetes é a Retinopatia Diabética, resultado dos efeitos da doença nos vasos sangüíneos da retina.
A retina é uma camada de prolongamento dos nervos, onde estão as células receptoras responsáveis por perceber a luz e ajudar a enviar as imagens ao cérebro. O dano aos vasos sanguíneos da retina pode ter como resultado vazamento de fluído ou sangue e crescimento anormal dos vasos sanguíneos que poderão causar fibrose e desorganizar a retina. Isto pode distorcer as imagens ou torná-las borradas. No princípio da doença, pode-se não notar nenhuma mudança na visão. Com o passar do tempo, a retinopatia diabética pode piorar a visão e até levar à cegueira.
Os tratamentos para este caso envolvem aplicação de raio laser, controle da diabetes e medicações intravítreas, sendo este o mais recente procedimento disponível no mercado. “Na fotocoagulação por raios laser, pequenas áreas da retina doente são cauterizadas na tentativa de prevenir o processo de hemorragia”, explica.
A novidade no tratamento de retinopatia diabética são as medicações intravítreas. Pesquisas comprovam a eficácia do medicamento, trazendo resultados positivos para o paciente. “As medicações são realizadas na própria clínica e o paciente é liberado no mesmo dia, sem ter necessidade de repouso”, relata.

Descolamento de Retina

Quando parte ou a totalidade da retina se desprende da parte posterior do olho, há o descolamento da retina.
As células nervosas na retina normalmente detectam a luz que entra no olho e enviam sinais para o cérebro sobre o que o olho vê. Mas quando a retina se descola, esse mecanismo não funciona corretamente.
Descolamento da retina geralmente começa quando o gel vítreo, um gel espesso que se encontra dentro do olho, encolhe e separa-se da retina em um processo que pode ser natural do envelhecimento, bem como decorrente de traumatismos ou de predisposição genética. Por vezes, a retina pode se rasgar, causando um descolamento. O rasgo permite que o fluido de dentro do olho entre por detrás da retina, fazendo com que ela se descole das demais estruturas intraoculares.
Outros fatores que podem levar ao descolamento da retina são um ferimento no olho ou na cabeça, miopia, doença ocular e condições tais como diabetes.

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

É uma das principais causas de perda visual na terceira idade, sendo decorrente de uma degeneração progressiva da região central da retina, chamada de mácula.
Com causas ainda desconhecidas, sintomas como distorção central das imagens, presença de mancha escura ou área embaçada no centro da visão e distorção das linhas retas podem indicar o aparecimento da doença.
O tratamento da doença varia de acordo com o seu tipo, que são dois: a DMRI seca, que é a forma mais comum e de progressão mais lenta, e a DMRI úmida, que acomete em torno de 15% dos indivíduos, com perda visual de progressão rápida. No tratamento da degeneração macular seca, o uso de vitaminas e sais minerais são os mais usuais. Já no caso da degeneração macular úmida, o tratamento se faz através de injeções intraoculares de fatores antiangiogênicos, laser, irradiação e até células- tronco, sempre levando em consideração o perfil do paciente e o estágio da doença.

O aumento da expectativa de vida da população e do número de idosos é um fenômeno global, que trouxe novas necessidades e perspectivas para a área da saúde, pois além de viver mais, as pessoas necessitam envelhecer com qualidade de vida. Esse fenômeno está diretamente ligado ao aumento de doenças da visão, como a catarata, o glaucoma, a degeneração macular relacionada à idade (DMRI) e a retinopatia diabética.

Esta área da Oftalmologia traz o olhar específico para o processo do envelhecimento ocular, suas consequências e possíveis intervenções com objetivo de proporcionar o envelhecimento com qualidade de visão.

As lentes de contato têm sido cada vez mais requisitadas pelos pacientes mais jovens, principalmente por estarem ligadas à questão de beleza e autoestima. Porém, é importante recorrer sempre a um especialista para indicar a melhor lente de acordo com cada caso. Na maioria das vezes, as lentes substituem os óculos, porém é preciso manter certos cuidados.
  • Manuseie suas lentes de contato com mãos rigorosamente limpas. Manusear com as mãos sujas poderá contaminá-las ou danificá-las. Prejuízo certo para sua saúde e/ou seu bolsos;
  • Lave as lentes somente com os produtos específicos, de preferência aqueles indicados por seu especialista;
  • Mantenha seu estojo para lentes de contato sempre limpo. Substitua-o com regularidade;
  • Retire as lentes antes de aplicar maquiagem;
  • Proteja suas lentes de substâncias químicas, abrasivas, gordurosas, como cremes, produtos em aerossol e poeira;
  • Quando manusear as lentes sobre a pia, certifique-se que o ralo esteja tampado. É comum perder lentes ao acidentalmente nesses locais;
  • Evite manusear suas lentes utilizado objetos pontiagudos ou cortantes, como pontas de lápis, tesouras e até mesmo com as unhas;
  • No banho ou ao lavar o rosto, feche bem os olhos para evitar o contato das lentes com sabonete e/ou xampu;
  • Siga arrisca as prescrições do seu médico, levando em consideração as instruções de tempo de substituição de lentes e tempo de uso. De todos os cuidados com lentes de contato que você deve ter, este é o mais importante!
É a área da Oftalmologia que atende bebês e crianças, sendo volt6ada para a detecção de doenças que já aparecem nas idades mais jovens.
Um levantamento divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) constatou que quatro em cada dez casos de cegueira infantil são reversíveis ou poderiam ter sido evitados, e uma forma disto acontecer é através do Teste do Olhinho.Todo bebê que nasce, nas primeiras 24 horas de vida, precisa realizar o teste, que previne 60% das causas de cegueira, doenças congênitas, rubéola e catarata, sendo considerado um método eficaz para diagnosticar algum eventual problema no recém-nascido.

O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são as chaves para que a criança tenha uma saúde visual com qualidade. A visão se desenvolve durante a infância e alcança a maturidade por volta dos cinco anos de idade. Por isso é importante o acompanhamento médico, pois caso seja detectada alguma deformidade, é possível corrigir nos primeiros anos de vida. Nesta fase, doenças comuns são estrabismo e conjuntivites.

O teste consiste em uma fonte de luz que sai do oftalmoscópio, onde é observado o reflexo das pupilas. Quando a retina é atingida por essa luz, os olhos saudáveis refletem tons de vermelho ou laranja. Caso a cor seja opaca, branca ou amarelada, significa que o recém-nascido possui alguma patologia e é preciso investigar. Chamar a atenção da criança com um objeto nas mãos de longe e ir se aproximando, fazendo movimentos com o objeto para checar se o bebê acompanha ou tirar fotografias dos olhos da criança podem ser saídas ‘caseiras’. No caso de aparecer alguma mancha branca ou os pais perceberem algo estranho no movimento dos olhos, é importante checar com um médico, pois pode ser sinal de algum problema.

As irregularidades oculares que podem ser detectadas durante o exame são especialmente: catarata congênita, má formação ocular, opacidades na córnea, tumores intraoculares ou hemorragias vítreas.

É a união entre a oftalmologia e cirurgia plástica, concentrando-se em problemas relacionados a pálpebras, órbitas e vias lacrimais.  Essa cirurgia tem como objetivo cuidar dessas partes dos olhos além de dar mais beleza ao olhar.
As pálpebras são a pele fina que protegem e cobrem os olhos. Ela pode ficar flácida devido a vários motivos, como por exemplo, envelhecimento, síndromes diversas ou tumores cerebrais. Já as órbitas são os locais do rosto onde está presente o bulbo do olho, nervos óticos e várias outras partes que compõem nosso sistema ocular e por fim, as vias lacrimais, que têm a finalidade de drenar as lágrimas produzidas pela glândula lacrimal (que promove a hidratação do olho).
Quando ocorre essa glândula o trajeto dessa glândula é fechado, ocorre um quadro de lacrimejamento, que pode necessitar de correção através de tratamentos ou cirurgia.

O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são as chaves para que a criança tenha uma saúde visual com qualidade. A visão se desenvolve durante a infância e alcança a maturidade por volta dos cinco anos de idade. Por isso é importante o acompanhamento médico, pois caso seja detectada alguma deformidade, é possível corrigir nos primeiros anos de vida. Nesta fase, doenças comuns são estrabismo e conjuntivites.

O teste consiste em uma fonte de luz que sai do oftalmoscópio, onde é observado o reflexo das pupilas. Quando a retina é atingida por essa luz, os olhos saudáveis refletem tons de vermelho ou laranja. Caso a cor seja opaca, branca ou amarelada, significa que o recém-nascido possui alguma patologia e é preciso investigar. Chamar a atenção da criança com um objeto nas mãos de longe e ir se aproximando, fazendo movimentos com o objeto para checar se o bebê acompanha ou tirar fotografias dos olhos da criança podem ser saídas ‘caseiras’. No caso de aparecer alguma mancha branca ou os pais perceberem algo estranho no movimento dos olhos, é importante checar com um médico, pois pode ser sinal de algum problema.

As irregularidades oculares que podem ser detectadas durante o exame são especialmente: catarata congênita, má formação ocular, opacidades na córnea, tumores intraoculares ou hemorragias vítreas.

Um crescimento que começa no tecido transparente do olho e pode se difundir para a córnea.
O tumor triangular benigno pode ocorrer em um dos olhos ou nos dois. É mais comum em pessoas que passam muito tempo ao sol, como aquelas que trabalham ao ar livre.
O tumor indolor pode ser ligeiramente protuberante e conter vasos sanguíneos visíveis. Pode causar irritação e afetar a visão.
Em geral, não é necessário um tratamento. Colírios ou cirurgia podem ajudar em casos graves.

Agende uma consulta com o projeto:

Ligue para +55 66 9912-2406 ou entre em contato através do link abaixo: